segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Edital de Exposições 2011 - Espaço Fernando Beck

A Fundação Cultural BADESC, criada em 2006, promove e incentiva diferentes formas de expressão artística e cultural. Nasceu da ampliação do Espaço Cultural Fernando Beck, que funcionou por 10 anos, no hall de entrada da Agência de Fomento do Estado de Santa Catarina (BADESC), e era destinado a exposições de artes plásticas. As seis exposições do calendário anual tem a duração de 45 dias.

Frisa-se a importância deste procedimento para que novos trabalhos possam emergir no cenário artístico atual e adensar com qualidade o circuito de Arte de Santa Catarina. Concluindo o calendário expositivo, inclui-se uma exposição de um artista convidado de renome nacional.

Veja o Edital para 2011 de Exposições no Espaço Fernando Beck.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Festim Diabólico da sexta-feira 13


"Festim Diabólico tem que ser visto no cinema. Por isso, seja formal.
Convide seus amigos com antecipação e vá bem vestido, de preferência
em trajes negros e soberbos. Procure chegar cedo e garanta um lugar
na frente; as primeiras cenas são literalmente vitais e perdê-las seria
um sacrilégio com o diretor, além de reduzir o espectador a apenas
mais um convidado para o jantar."

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Lançamento da publicação Papel


Papel é a primeira publicação realizada pelo grupo de pesquisa Rosa dos Ventos (UDESC/CNPq), em conjunto com a Editora da Casa. A produção deste livro partiu do interesse crescente dos membros do grupo Rosa dos Ventos pelo estudo de publicações de artista. O envolvimento de longa data de alguns dos artistas desse grupo com debates e experimentação nesse meio de expressão contagiou os demais membros, direcionando esforços coletivos para a realização desta primeira proposta em forma de livro, que certamente abrirá caminho para outras produções afins.
Todos os trabalhos são inéditos e foram construídos exclusivamente para esta publicação, levando em consideração os aspectos estruturais da forma livro. Ao folhear a seqüência de páginas de “papel”, percebe-se que cada artista buscou refletir de diferentes maneiras acerca do impacto desse material em seus processos de produção artística, assim como a respeito de seu uso e reciclagem na cultura contemporânea. O livro também inclui a tradução de fragmentos de um texto de Mallarmé, Crise de Vers, realizada por Fernando Scheibe.
Artistas participantes: Claudia Zimmer, Francisco Warmling, Juliana Crispe, Márcia Sousa, Maria Araujo, Marina Moros, Nara Milioli, Pamella Queiroz, Raquel Stolf, Rosana Bortolin, Sandra Correia Favero, Silvana Macêdo e Silvia Simões.
O coquetel de abertura será nesta quinta-feira, ás 19h, na Fundação Cultural Badesc.

terça-feira, 22 de junho de 2010

Fotografias premiadas e expostas

Imagem de Iam Campigotto, em exposição.

Inaugura nesta quarta-feira, 23/06, a exposição Saber e Compartilhar na Fundação Cultural Badesc. Durante o Festival Floripa na Foto, alunos da UDESC puderam participar de um concurso que selecionou as melhores fotografias em três categorias: preto e branco, colorido e cotidiano. No evento, que começa às 19h, serão premiadas as melhores imagens. O Espaço Fernando Beck da Fundação Badesc irá expor os trabalhos até o dia 9 de julho. O horário de visitação, a partir da próxima sexta-feira, é das 12h às 19h. Mais informações pelo telefone (48) 3224-8846.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Vídeo-arte dentro e fora da Fundação

Na noite da próxima quarta-feira a Fundação Cultural Badesc abre espaço à produção de vídeo-arte local. Alunos do curso de Cinema da UFSC apresentarão trabalhos de cinema expandido, performance urbana e instalação multimídia. As apresentações ocorrerão a partir das 19h no auditório e no jardim da Fundação. A concepção é de Clélia Mello.

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Shakespeare no cinema


Nesta sexta-feira, às 19h, a Fundação Cultural Badesc abre as portas mais uma vez para o projetodo Cinema, Chá & Cultura Exibiremos Sonho de uma Noite de Verão (A Midsummer Night's Dream, 1999), baseado na peça homônima de Shakespeare. Neste filme mais recente (a famosa versão de 1935 já foi exibida no Cinema, Chá e Cultura), o diretor, Michael Hoffman, situa a trama no início do século 20. Demetrius e Lysander são apaixonados por Hermia, que só tem olhos para Lysander. Mas o pai de Hermia quer Demetrius como genro. Helena, por sua vez, queima de amor por Demetrius. Hermia e Lysander decnidem fugir da cidade na escuridão da noite. Demetrius, enfurecido, procura os dois, enquanto Helena vai atrás dele. No meio dessa confusão, filtros mágicos potencializam desencontros amorosos, e o que parece uma fábula ingênua revela muito da natureza humana.
A mediadora neste encontro é Brígida Miranda, Ph.D. em Teatro pela La Trobe University/Austrália, Master of Arts in Theatre Practice pela University of Exeter/Inglaterra e Graduada em Artes Cênicas pela Universidade de Brasília.
A atividade, gratuita, começa com uma apresentação, durante a qual os participantes poderão se servir de chá, feito ao modo inglês, e oferecido pela Cultura Inglesa de Florianópolis. Em seguida será exibido o filme legendado.

Assista ao trailer em inglês:

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Marco Vasques lança dois livros

Amanhã (17/06) a noite haverá o lançamento de dois livros do escritor Marco Vasques. O livro Diálogos com a Literatura Brasileira - volume III, editado pela Letradágua e Editoras Movimento, obteve patrocínio da Eletrobrás pela Lei Rouanet e terá distribuição gratuita no evento, a partir das 19h, na Fundação Cultural Badesc. Vasques também discorre pelo mundo da poesia e apresenta, na mesma noite, o título Flauta sem Boca (Ed Letras Contemporâneas), com apresentação de Péricles Prade e ilustração de Fernando Lindote.

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Experiências marcantes no Cine Itália

A Fundação Cultural Badesc e o Centro di Cultura Italiana de Santa Catarina dão continuidade ao cineclube italiano no mês de junho. Serão cinco títulos apresentados sempre às terças-feiras.
Os filmes em questão nos mostram personagens que passam por experiências que mudam suas vidas por completo. Desde um poeta exilado que ensina a arte de se expressar a um simples carteiro até a história de Rosalba que vai deixar a família para se sentir viva em Veneza.
O filme desta terça As Afinidades Eletivas dos irmãos Taviani é baseado no romance homônimo do escritor romântico Johann Goethe. Numa casa de campo, o jovem casal, Edoardo e Carlotta, recebe a visita de Ottone e Ottilia. Juntos fazem experiências que demonstram que certos elementos possuem afinidades eletivas, ou seja, uma atração especial uns pelos outros.
As exibições do ciclo italiano de cinema ocorrem sempre às 19h, no auditório da Fundação Cultural Badesc, no Centro de Florianópolis. Mais Informações pelo telefone (48) 3224-8846.

Assista a um trecho do filme

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Ernesto Varela – o Repórter

No início dos anos 80 um personagem inusitado rompeu o marasmo da televisão brasileira. O ciclo “Ernesto Varela, o Repórter” resgata a série de reportagens feitas por Marcelo Tas e seus vários colaboradores. Com curadoria do cineasta José Rafael Mamigoniam, a sessão será amanhã, quinta-feira, a partir das 19h, no auditório da Fundação Cultural Badesc.
Desobedecendo as normas da mera reportagem jornalística – conjugando abordagem inusitada com o mais franco e incisivo humorismo – o surgimento de Ernesto Varela parece fundar em várias medidas as bases tanto para a modernização temática e narrativa na TV aberta no Brasil, como na experimentação de novas formas de relação com o meio televisivo, num modo de produção que tem se consolidado gradativamente: o da produção independente.
Para além das fronteiras que delimitam o que é e o que não é documentário, reencontrar a realidade brasileira sob o prisma do humor de Varela e seus Valdecis nos recoloca frente à frente com a própria história recente do Brasil em uma de suas mais irreverentes interpretações. Mais informações pelo telefone (48) 3224-8846.

Agradecimentos: Marcelo Tas, Associação Cultural Videobrasil, SESC-SP.

Assista a uma das matéria de Ernesto Varela:

terça-feira, 1 de junho de 2010

Sessão de vídeo arte no auditório da Fundação

Em março de 2010 dez artistas foram selecionados para participar de uma Residencia Artística no Edifício das Diretorias, marco da arquitetura modernista do estado de Santa Catarina e atual sede das secretarias de infraestrutura e transporte do estado. O resultado desta experiência será apresentado nesta quarta-feira, dia 02 de junho, às 19h, no auditório da Fundação Cultural Badesc.
Durante uma semana os participantes estiveram imersos num intenso processo criativo. Engajaram-se em debates teóricos, exercícios de estúdio, de composição e improvisação na cidade e no prédio, buscando discutir os paradigmas atuais da arte em espaços não tradicionais. O grupo observou, questionou e interveio na arquitetura, usos, fluxos e invisibilidades do Edifício das Diretorias.
Dirigido por Loli Menezes e Bianca Scliar, o vídeo é o produto das pesquisas, investigações plásticas e apropriações espaço-temporais durante a residência, propondo a partir de alterações efêmeras, uma arqueologia possível deste lugar onde as cidades catarinenses são planejadas.
Após a exibição haverá um debate aberto que discutirá as estratégias utilizadas no processo de trabalho, onde serão discutidas questões referentes ao Projeto Andares, e à intervenções em espaços alternativos, tais como:
O que a arte permite articular nesses espaços? Qual o limite entre o público e os participantes? Qual a diferença entre ocupação e articulação? Como elaborar estratégias que engajem aqueles com treino e prática artística para o envolvimento nas questões pragmáticas da cidade? Como aprimorar o intercâmbio e colaborações entre artistas e os técnicos e profissionais de arquitetura e urbanismo? Porque envolver-se nestes contextos? Qual o papel do artista fora da galleria/ museu? Como as questões urbanas se inserem nas práticas artísticas hoje?

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Experiências marcantes no Cine Itália de junho


A Fundação Cultural Badesc e o Centro di Cultura Italiana de Santa Catarina dão continuidade ao cineclube italiano no mês de junho. Serão cinco títulos apresentados sempre às terças-feiras.
Os filmes em questão nos mostram personagens que passam por experiências que mudam suas vidas por completo. Desde um poeta exilado que ensina a arte de se expressar a um simples carteiro até a história de Rosalba que vai deixar a família para se sentir viva em Veneza.
O filme Os Girassóis da Rússia de Vittorio de Sica é um clássico do cinema italiano e será exibido dia 29. Lançado em 1970, o longa é uma das mais belas histórias de amor já exibidas na grande tela. Com Sophia Loren e Marcello Mastroianni no elenco, fica claro o cuidado especial pela fotografia e pela trilha sonora, assinada por Henry Mancini de A Pantera Cor de Rosa.
As exibições do ciclo italiano de cinema ocorrem sempre às 19h, no auditório da Fundação Cultural Badesc, no Centro de Florianópolis. Mais Informações pelo telefone (48) 3224-8846.

Programação:


Dia 01/06

O Carteiro e o Poeta - Il Postino
Diretor: Michael Radford
Ano: 1994
Tempo: 109min
Elenco: Massimo Troisi , Philippe Noiret e Maria Grazia Cucinotta
O poeta Pablo Neruda está exilado em uma ilha na Itália. Um quase analfabeto é o novo "carteiro" extra, que cuidará das cartas de Pablo. Os dois se tornam amigos e o carteiro aprenderá a escrever seus sentimentos. O poeta ganha, em troca, um ouvinte para suas lembranças do Chile.



Dia 08/06

Pão e Tulipas - Pane e Tulipani
Diretor: Silvio Soldini
Ano: 2000
Tempo: 115min
Elenco: Licia Maglietta, Bruno Ganz e Marina Massironi.
A dona de casa Rosalba está viajando com sua família. Em um restaurante à beira da estrada, ela é esquecida pelo marido e pelos filhos. Ela irá aproveitar esta sensação de liberdade para conhecer Veneza. A rápida escapada se transformará em algo mais duradouro.



Dia 15/06

As Afinidades Eletivas - Le affinità Elettive
Diretor: Paolo Taviani e Vittorio Taviani
Ano: 1996
Tempo: 98min
Elenco: Isabelle Huppert, Jean-Hugues Anglade e Marie Gillain
Baseado no romance homônimo do escritor romântico Johann Goethe. Numa casa de campo, o jovem casal, Edoardo e Carlotta, recebe a visita de Ottone e Ottilia. Juntos fazem experiências que demonstram que certos elementos possuem afinidades eletivas, ou seja, uma atração especial uns pelos outros.


Dia 22/06

Manual do Amor - Manuale d’Amore
Diretor: Giovanni Veronesi
Ano: 2005
Tempo: 110min
Elenco: Magherita Buy,Sergio Rubini e Carlo Verdone
Uma história sobre os eventos pelos quais muitos casais passam na vida. É uma história de amor, observada através de um caleidoscópio de cores, retratando as quatro fases do amor: paixão, crise, traição e abandono.


Dia 29/06

Os Girassóis da Rússia - I Girasoli
Diretor: Vittorio De Sica
Ano: 1970
Tempo: 101min
Elenco: Sophia Loren e Marcello Mastroianni
Emocione-se com a história de um casal separado pela Segunda Guerra. Após anos sem notícias, ela viaja para a Rússia em busca do marido, atravessando cidades e campos de girassóis. Quando enfim ela o encontra, percebe que algo mudou entre eles.

domingo, 30 de maio de 2010

Cineclube francês de maio termina hoje


A Fundação Cultural Badesc e a Aliança Francesa dão continuidade ao projeto do cineclube com produções em línguas francófonas. Sempre as segundas-feiras, o Cine Francês de maio se encerra hoje. Este mês já exibimos Meu Tio da América do diretor Alain Resnais e Cartas Camponesas de 1973. O filme de hoje é Obras, a gente sabe quando começa... da diretora Brigitte Rouan.
As exibições ocorrem a partir das 19h, no auditório da Fundação, no Centro de Florianópolis. A entrada é franca. Mais informações pelo telefone (48) 3224-8846.

19h – Obras, a gente sabe quando começa... (Travaux, on sait quand ça commence...)
De Brigitte Rouan, França, 2005, 95min.
Chantal é uma advogada imbatível e implacável no tribunal. Na vida privada ela é condescendente com seus dois filhos adolescentes e o ex-marido. Ao fazer uma reforma no seu apartamento, ela contrata os serviços de um grupo de colombianos. A obra se transforma num pandemônio, e Chantal chega à beira de um ataque de nervos.

sexta-feira, 28 de maio de 2010

O imaginário de detentos na Jornada de Gênero


A Fundação Cultural BADESC tem em sua programação mensal uma noite dedicada ao cinema de gênero. São filmes que tratam de discutir o papel do ser-humano e suas relações. Sempre após a exibição há um momento de debate entre os presentes com convidados gabaritados. O eventto é realizado pelo Grupo de Estudos do Projeto Teatro e Gênero, coordenado pela Profa. Dra. Maria Brígida de Miranda (CÊNICAS/CEART/UDESC).
A Jornada de Gênero de maio ocorre hoje com a apresentação do documentário Entrelinhas, dirigido pela artista catarinense Letícia Cardoso e o cineasta Pedro MC, através do Edital de Vídeo do Fundo Municipal de Cinema de Florianópolis, com montagem de Yannet Briggiler. O Documentário tem como foco da narrativa o diálogo da equipe de produção com o imaginário de pacientes (todos do sexo masculino) internados no Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico da Penitenciária de Florianópolis. O dispositivo de filmagem foi baseado num conceito definido por Freud como "atenção flutuante", que consiste numa escuta sem preocupação imediata com o que poderá ser retido da conversa. Dessa forma, os diretores se colocaram numa situação de aleatoriedade desejada, sem entrevista pré-marcada e abrindo espaço à espontaneidade das falas.
A convidada do noite a enriquecer o debate é Letícia Cardoso: graduada em Artes Plásticas na UDESC e mestre em Poéticas Visuais no Instituto de Artes da UFRGS.
A sessão começa às 19h, no auditório da Fundação. Mais informações pelo telefone: (48) 3224-8846

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Cinema alemão de volta à Fundação

O cinema alemão agora tem dia e hora marcada na Fundação Cultural Badesc. Graças a uma parceria com o Instituto Goethe de Curitiba o público terá a chance de apreciar as produções germânicas de todas as épocas.
A primeira sessão será nesta quinta-feira, dia 27, às 19h, no auditório da Fundação. O filme de hoje é Verão em Berlim, ganhador do prêmio de melhor roteiro no Festival de San Sebástian de 2005. Com Inka Friedrich e Nadja Uhl no elenco, o longa apresenta uma Alemanha quente que desperta os piores e melhores sentimentos nos personagens. Confira a sinopse e o trailer abaixo.
As sessões ocorrem uma vez ao mês, com entrada franca e títulos legendados. Mais informações pelo telefone (48) 3224-8846.

Verão em Berlim - Sommer vorm Balkon
De Andreas Dresen, Alemanha, 2005, 105min.
Verão em Berlim. Duas amigas, uma enfermeira de idosos e uma desempregada, vivem em um antigo prédio alugado e passam suas noites na varanda com vista para as ruas. Um homem jovem ameaça a paz mas proporciona momentos de felicidade, uma mulher idosa morre e um menino de doze anos sofre de amor.

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Última sessão do Ciclo Godard

Nos 80 anos do cineasta Jean-Luc Godard, a Fundação Cultural Badesc trouxe ao público quatro títulos do diretor, todos da primeira fase de sua filmografia. A curadoria e a apresentação são de Fernanda do Canto, designer gráfico formada pela UFSC. Durante o ano de 2008, ela fez um intercâmbio para o curso de Diseño de Imagen y Sonido, na Universidad de Buenos Aires, onde estudou teoria e história do cinema. No ano seguinte, como Trabalho de Conclusão de Curso, realizou uma análise visual sobre a cinematografia de Godard entre 1959 e 1965
Os filmes exibidos estão inseridos no movimento nouvelle vague e trazem uma postura auto crítica sobre o cinema, desafiando as convenções cinematográficas da época.
Nesses filmes, podem se traçar semelhanças como a preferência pelas filmagens nas ruas, com ilumi­nação natural, locações públicas e tomadas feitas ao azar. Seus personagens têm um caráter psicológico e ambíguo, cujas histórias pessoais ou motivações muitas vezes não são compartilhadas com o espectador.
A última exibição é nesta quarta-feira, a partir das 19h, no auditório da Fundação, no Centro de Florianópolis. A entrada é franca. Mais informações pelo telefone (48) 3224-8846

Confira o filme de hoje:


O demônio das onze horas
- Pierrot lê fouDiretor: Jean-Luc Godard
Ano: 1965
Tempo: 115min
Ferdinand Griffon é um professor de língua espanhola casado com uma italiana. Em uma noite, o ca­sal vai a uma festa e deixa os filhos aos cuidados de Marianne, a quem Ferdinand parecia conhecer anteriormente. Na volta, Ferdinand e Marianne decidem fugir juntos e se envolvem com tráfico, conspirações políticas e muita literatura.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Escolhas dramáticas no Cine Italiano

O Gênero Literário Dramático teve suas origens na Grécia Antiga, possivelmente numa manifestação das festas em homenagem a Dionísio. O termo "dramático" quer dizer drama, ou seja Ação. Ele representa ações vividas pelos personagens num determinado espaço-tempo. E o drama será a base dos filmes apresentados no cineclube italiano da Fundação Cultural Badesc, em maio.
O filme desta terça-feira é A Janela da Frente com direção de Ferzan Ozpetek. O longa de 2003 conta com Giovanna Mezzogiorno e Massimo Girotti no elenco. Os dramas abordados são sobre as escolhas que todos tem de fazer na vida.
O ciclo italiano de cinema é uma parceria com o Centro di Cultura Italiana. As exibições ocorrem às terças feiras, às 19h, no auditório da Fundação Cultural Badesc, no Centro de Florianópolis. Mais Informações pelo telefone (48) 3224-8846


A Janela de Frente (La Finestra di Fronte)
De Ferzan Ozpetek, Itália, 2003, 106min.
Giovanna está casada com um marido dedicado e responsável. Ela trabalha como contabilista e toma conta das crianças. O marido traz para casa um velho com amnésia e acaba evidenciando as frustrações da vida rotineira do casal. Giovanna se irrita com a apatia do marido e vai projetar suas fantasias no belo e misterioso vizinho.

Confira o trailer:

A história de Khamsa no Cine Francês

A Fundação Cultural Badesc e a Aliança Francesa dão continuidade ao projeto do cineclube com produções em línguas francófonas. Sempre as segundas-feiras, o Cine Francês vai até o fim do mês com exibições que vão desde Meu Tio da América do diretor Alain Resnais até Cartas Camponesas de 1973. O filme de hoje é Khamsa de Karim Dridi, mesmo diretor de Fureur, Cuba Feliz e Bye Bye.
As exibições ocorrem a partir das 19h, no auditório da Fundação, no Centro de Florianópolis. A entrada é franca. Mais informações pelo telefone (48) 3224-8846.

Khamsa - Khamsa.
De Karim Dridi, 2008, 95min
Depois de fugir de sua família adotiva, Khamsa volta para o acampamento cigano onde nasceu. Nada parece ter mudado desde que ele foi forçado a partir. Até que seu melhor amigo Coyote conhece um ladrãozinho com quem começa a realizar pequenos furtos.

Confira o trailer:

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Cinema, Chá e Cultura traz obra de Shakespeare

Cinema, Chá & Cultura apresenta Shakespeare, novamente, nesta sexta-feira, às 18h30. Desta vez, será exibido O Mercador de Veneza (2004) que se passa no século XVI, quando o jovem nobre Bassanio pede dinheiro emprestado ao amigo Antonio, para viajar a Belmont e pedir a mão de Portia. Como Antonio não pode emprestar o dinheiro, a solução é procurar o agiota Shylock, que tem como garantia um naco da própria carne de Bassanio, caso não haja pagamento. As ressurgências de preconceitos e discriminações no século XXI nos convidam a lançar um olhar mais aprofundado sobre O Mercador de Veneza.
Para a apresentação, a convidada é a Professora Dra. Anna Stegh Camati, que possui Graduação em Letras Anglo-Germânicas e Mestrado em Literaturas de Língua Inglesa pela UFPR, Doutorado em Língua Inglesa e Literaturas Inglesa e Norte Americana pela USP e Pós-Doutorado pela UFSC.
Promovido pela Fundação Cultural BADESC e pela Cultura Inglesa de Florianópolis, Cinema, Chá & Cultura é um projeto dedicado à exibição de filmes relativos a obras literárias da tradição anglófona, com a participação dos organizadores e de convidados, alternadamente.
A atividade, gratuita, começa com uma apresentação, durante a qual os participantes poderão se servir de chá, feito ao modo inglês, e oferecido pela Cultura Inglesa de Florianópolis. Em seguida será exibido o filme, legendado.

Confira o trailer:

Sessão Brasil apresenta Eliane Lage


A Fundação Cultural Badesc mantém em seu cineclube uma noite especial que homenageia profissionais do cinema brasileiro. Nesta quinta-feira, às 19h, no auditório da Fundação, será exibido o documentário Eliane. Com direção de Ana Carolina Maciel e Caco Souza, o vídeo tem 33 minutos e foi produzido em 2002.
O documentário é dedicado à atriz Eliane Lage, estrela de filmes da Companhia Cinematográfica Vera Cruz como Caiçara (1950) de Adolfo Celi; Ângela (1951), de Tom Payne e e Sinhá Moça de Tom Payne e Osvaldo Sampaio. O filme mostra uma Eliane Lage desprovida da mitificação que o estrelato buscou lhe incutir. Seu depoimento e sua vivência irão nortear a narrativa de Eliane

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Banda à Parte hoje no Ciclo Godard

Em comemoração aos 80 anos de nascimento do cineasta Jean-Luc Godard, a Fundação Cultural Badesc está exibindo semanalmente títulos do diretor, todos da primeira fase de sua filmografia. A curadoria e a apresentação são de Fernanda do Canto, designer gráfico formada pela UFSC. Durante o ano de 2008, ela fez um intercâmbio para o curso de Diseño de Imagen y Sonido, na Universidad de Buenos Aires, onde estudou teoria e história do cinema. No ano seguinte, como Trabalho de Conclusão de Curso, realizou uma análise visual sobre a cinematografia de Godard entre 1959 e 1965
Os filmes exibidos estão inseridos no movimento nouvelle vague e trazem uma postura auto crítica sobre o cinema, desafiando as convenções cinematográficas da época.
Nesses filmes, podem se traçar semelhanças como a preferência pelas filmagens nas ruas, com ilumi­nação natural, locações públicas e tomadas feitas ao azar. Seus personagens têm um caráter psicológico e ambíguo, cujas histórias pessoais ou motivações muitas vezes não são compartilhadas com o espectador.
As exibições ocorrem a partir das 19h, no auditório da Fundação, no Centro de Florianópolis. A entrada é franca. Mais informações pelo telefone (48)3224-8846.

Filme de hoje:

19h - Banda à Parte (Bande à Part)
De Jean-Luc Godard, França, 1964, 92min.
Frantz e Arthur, dois amigos habituados a dar golpes, conhecem a tímida Odile num curso de inglês. A moça, apaixonada por Arthur, conta aos dois sobre uma grande quantia de dinheiro que sua tia Victoria guarda em casa. Frantz e Arthur começam imediatamente a planejar o roubo e convencem Odile a ajudá-los.

Veja trecho do filme. Dança na Cafeteria:

terça-feira, 18 de maio de 2010

Walter Firmo em Preto e Branco na Fundação Badesc


A Fundação Cultural Badesc abre nesta quarta-feira, dia 19 de maio, às 19h30, a exposição Walter Firmo em Preto e Branco. A mostra faz parte do Festival de Fotografia Floripa na Foto 2010 e tem curadoria do próprio Firmo a partir da sua experiência fotográfica com os textos de Guimarães Rosa, abordando o ambiente do sertão. São 20 imagens que idealizam o sentido sertanejo do fotógrafo.

Além de Guimarães Rosa, Walter Firmo segue pelo estilo seco e cortante de Graciliano Ramos. Mas o sertão do fotógrafo é mais amplo. Explora o sentimento do homem longe da urbe, enfrentando-se diariamente na plantação, perdido na terceira margem de um rio, no rincão gaúcho, atolado no pantanal, ou embalado numa rede amazônica. Seu mundo sertanejo é tão abrangente quanto o tamanho continental do Brasil.

“O homem interiorano, a paisagem e a vida rude sempre me entusiasmaram em marcá-los em preto-e-branco. Aliás, tenho a certeza de que o que emite um País, que o transfigura, que lhe dá a força motriz é o que emana do seu centro. Todo País se faz do centro para sua periferia. É ali que se traduz o magma de uma nação, é ali que se alicerça seu caráter”, diz o fotógrafo.

Walter Firmo ministra oficina no festival e participa da abertura da exposição na Fundação Cultural Badesc. Para Lucila Horn, coordenadora do Festival de Fotografia Floripa na Foto 2010, Firmo exibe neste exposição “as suas traduções fotográficas, livres da ação nervosa no ato de escrever, mas, idealizadas na ação do fotógrafo que cria e recria outros conteúdos através da imaginação”.

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Cine Francês com Alain Resnais


A parceria de sucesso entre a Fundação Cultural Badesc e a Aliança Francesa está mantida para o mês de maio. O projeto do cineclube com produções em línguas francófonas é exibido às segundas feiras e vai até o fim do mês.
O filme de hoje é Meu Tio da América do diretor Alain Resnais, uma das personalidades mais marcantes do cinema francês. Ele diz que seus filmes são uma tentativa, ainda que grosseira e muito primitiva, de aproximar-se da complexidade do pensamento, de seu mecanismo. Em Cannes no ano de 1980, Resnais levou o Grande prêmio do júri e o Prêmio Fipresci. Com este mesmo filme, foi indicado na categoria melhor filme estrangeiro no Oscar de 1981.
As exibições ocorrem a partir das 19h, no auditório da Fundação, no Centro de Florianópolis. A entrada é franca. Mais informações pelo telefone (48) 3224-8846.

19h – Meu Tio da América (Mon oncle d'amérique)

De Alain Resnais, França, 1980, 125min. Com Gérard Depardieu e Nelly Borgeaud

O título do filme faz alusão a um personagem obscuro. Não se sabe se ele está morto, rico ou miserável, numa América que jamais aparece. Os labirintos aqui trilhados são os dos textos científicos de Henri Laborit, pesquisador do comportamento humano.

Confira o trailer em francês

Programação da Semana

Dia 17/05 (segunda-feira) – Cinema Francês

19h – Meu Tio da América (Mon oncle d'amérique)
De Alain Resnais, França, 1980, 125min.
O título do filme faz alusão a um personagem obscuro. Não se sabe se ele está morto, rico ou miserável, numa América que jamais aparece. Os labirintos aqui trilhados são os dos textos científicos de Henri Laborit, pesquisador do comportamento humano.


Dia 18/05 (terça-feira) – Cinema Italiano

19h – Concorrência Desleal (Concorrenza Sleale)

De Ettore Scola, Italia, 2001, 110min.
Na Itália de 1938, em meio à Segunda Guerra Mundial, dois comerciantes de roupas - um católico e outro judeu - disputam pela melhor clientela. Em meio a trapaças e discussões sem fim, eles vão descobrir uma forte amizade, quando um deles sofre com a intolerância do regime fascista.


Dia 19/05 (quarta-feira): Ciclo Godard

19h - Banda à Parte (Bande à Part)

De Jean-Luc Godard, França, 1964, 92min.
Frantz e Arthur, dois amigos habituados a dar golpes, conhecem a tí mida Odile num curso de inglês. A moça, apaixonada por Arthur, conta aos dois sobre uma grande quantia de dinheiro que sua tia Victoria guarda em casa. Frantz e Arthur começam ime diatamente a planejar o roubo e convencem Odile a ajudá-los.


Exposição Preto e Branco de Walter Firmo

Abertura, dia 19, às 19h30. A exposição vai até 18 de junho.


A mostra tem curadoria do próprio Walter Firmo a partir de sua experiência fotográfica com os textos de Guimarães Rosa, abordando o ambiente do sertão mineiro. Com 20 imagens, a exposição faz parte do Festival Floripa na Foto.



Dia 20/05 (quinta-feira) – Sessão Brasil

19h - Eliane

De Ana Carolina Maciel e Caco Souza, São Paulo, 2002, 33min.
Documentário dedicado à atriz Eliane Lage (1928), estrela de filmes da Companhia Cinematográfica Vera Cruz como Caiçara (1950) de Adolfo Celi; Ângela (1951), de Tom Payne e e Sinhá Moça de Tom Payne e Osvaldo Sampaio. O filme mostra uma Eliane Lage desprovida da mitificação que o estrelato buscou lhe incutir. Seu depoimento e sua vivência irão nortear a narrativa de Eliane.


Dia 21/05 (sexta-feira) – Cinema, Chá e Cultura

19h - O Mercador de Veneza (The Merchant of Venice)

De Michael Radford, Estados Unidos, 2004, 138min.
Na cidade de Veneza, no século XVI, Bassanio pede a Antonio um empréstimo para que possa cortejar Portia, herdeira do rico Belmont. Antonio é rico, mas todo seu dinheiro está comprometido em empreendimentos no exterior. Assim ele recorre a Shylock, que vinha esperando uma oportunidade para se vingar de Antonio. O agiota impõe uma condição absurda. A exibição será seguida de uma explanação da Professora Dra. Anna Stegh Camati, teórica em Literatura.

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Fundação Café recebe Gazu e convidados

Gazu e Luciano Bilú no Acústico Café de abril

O Fundação Café, anexo à Fundação Cultural Badesc, realiza na noite desta quinta-feira um "pocketshow". O cantor do Dazaranha já realizou uma apresentação no mês de abril no local. O público presente aprovou a idéia e o Café abrirá as portas mais uma vez à música catarinense.
O Acústico Fundação Café começa às 20h e tem entrada franca.

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Doc Brasil aborda questão racial


A Fundação Cultural Badesc apresenta uma programação de filmes que abordam a história, a cultura e os desafios que o povo de origem afro-brasileira encontra em nosso país. Um introdutório – mas representativo – recorte da produção documental brasileira, em filmes de diferentes estéticas, abordagens e vertentes de pensamento, mas cujo tema comum principal é a “questão racial” no Brasil.
As primeiras exibições ocorreram nos dias 6 e 7 deste mês. Nesta quinta e sexta-feira serão apresentados mais três documentários. Sempre às 19h, no auditório da Fundação Cultural Badesc, no Centro de Florianópolis. Mais Informações pelo telefone (48) 3224-8846
Agradecimentos: Eduardo Coutinho, Arthur Autran, Júnia Torres, Carlos Nader e José Geraldo Couto.

Dia 13/05

Aqui Favela – O Rap Representa

De Júnia Torres e Rodrigo Siqueira, 2003, 82min
Uma viagem pelos caminhos por onde se constrói o movimento hip-hop em São Paulo e Belo Horizonte. O filme apresenta jovens desconhecidos que integram o movimento e algumas de suas principais expressões como Thaíde e Mano Brown, além de África Bannbaataa, Nelson Triunfo, Lady Rap, Shyrlane e outros.


Dia 14/05

Preto e Branco

De Carlos Nader, 2004, 73min
Documentário sobre relações raciais entre cidadãos comuns da cidade de São Paulo. Se, por um lado, o modelo racial brasileiro tem sido historicamente considerado uma solução original para eterna intolerância étnica no planeta, por outro, é também considerado uma farsa que visa esconder o abismo social entre brancos e não-brancos.

terça-feira, 11 de maio de 2010

Homenagem aos 80 anos de Godard

Jean-Luc Godard. Foto de A.R. Duckworth.

Em comemoração aos 80 anos de nascimento do cineasta Jean-Luc Godard, a Fundação Cultural Badesc irá exibir quatro títulos do diretor, todos da primeira fase de sua filmografia. A curadoria e a apresentação são de Fernanda do Canto, designer gráfico formada pela UFSC. Durante o ano de 2008, ela fez um intercâmbio para o curso de Diseño de Imagen y Sonido, na Universidad de Buenos Aires, onde estudou teoria e história do cinema. No ano seguinte, como Trabalho de Conclusão de Curso, realizou uma análise visual sobre a cinematografia de Godard entre 1959 e 1965
Os filmes exibidos estão inseridos no movimento nouvelle vague e trazem uma postura auto crítica sobre o cinema, desafiando as convenções cinematográficas da época.
Nesses filmes, podem se traçar semelhanças como a preferência pelas filmagens nas ruas, com ilumi­nação natural, locações públicas e tomadas feitas ao azar. Seus personagens têm um caráter psicológico e ambíguo, cujas histórias pessoais ou motivações muitas vezes não são compartilhadas com o espectador.
As exibições ocorrem a partir das 19h, no auditório da Fundação, no Centro de Florianópolis. A entrada é franca. Mais informações pelo telefone (48)3224-8846.

Confira o filme desta quarta-feira:


Viver a Vida - Vivre sa vie
De Jean-Luc Godard, 1962, 80min
Em doze capítulos, o filme conta o drama de Nana, uma jovem que almeja iniciar a carreira de atriz, mas passa por dificuldades financeiras. Como não consegue pagar o aluguel, Nana é expulsa de casa, acusada de furto, e não encontrando outra solução, decide se prostituir.

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Drama entre irmãos no Cine Italiano

O Gênero Literário Dramático teve suas origens na Grécia Antiga, possivelmente numa manifestação das festas em homenagem a Dionísio. O termo "dramático" quer dizer drama, ou seja Ação. Ele representa ações vividas pelos personagens num determinado espaço-tempo. E o drama será a base dos filmes apresentados no cineclube italiano da Fundação Cultural Badesc, em maio.
O filme desta terça-feira é Meu Irmão é Filho Único do diretor Daniele Lchetti. O título pode sugerir uma comédia, porém é um drama que conta a vida de dois irmãos ativistas de partidos políticos opostos e que se apaixonam pela mesma mulher. O longa de 2007 é estrelado por Elio Germano e Riccardo Scamarcio e se passa numa cidadezinha ao Sul da Itália.
O ciclo italiano de cinema é uma parceria com o Centro di Cultura Italiana. As exibições ocorrem às terças feiras, às 19h, no auditório da Fundação Cultural Badesc, no Centro de Florianópolis. Mais Informações pelo telefone (48) 3224-8846

11/05
Meu Irmão é Filho Único (Mio Fratello È Figlio Único)
De Daniele Luchetti, Italia, 2007, 108min.
Entre 1960 e 1970, numa cidadezinha italiana, dois irmãos tentam mudar o mundo. O mais velho, Manrico, é um rapaz bonito e carismático, incitador que se torna ativista no partido comunista. Accio, o caçula, é revoltoso e está no partido fascista. Os irmãos se tornam rivais, não apenas na política, mas também no amor quando Accio percebe estar apaixonado por Francesca, namorada do irmão

domingo, 9 de maio de 2010

Filme premiado no Cine Francês


A parceria de sucesso entre a Fundação Cultural Badesc e a Aliança Francesa está mantida para o mês de maio. O projeto do cineclube com produções em línguas francófonas é exibido às segundas feiras e vai até o fim do mês.
Serão cinco títulos que vão desde Meu Tio da América do diretor Alain Resnais até Khamsa de Karim Dridi. O segundo título exibido será Tudo Perdoado de 2007. O filme tem direção de Mia Hansen-love e recebeu o Prêmio Louis Delluc. O longa conta com Paul Blain, Marie-Christine Friedrich e Victoire Rousseau no elenco.
As exibições ocorrem a partir das 19h, no auditório da Fundação, no Centro de Florianópolis. A entrada é franca. Mais informações pelo telefone (48) 3224-8846


Dia 10/05

Tudo Perdoado - Tout est Pardonné
De Mia Hansen-love, 2007, 95min.
Victor vive em Viena com sua esposa e sua filha Pâmela. É primavera. Victor passa os dias fora, brinca com a filha e vadia no Parque. Mas acaba se apaixonando por outra mulher. Onze anos depois, Pamela descobre que o pai vive na mesma cidade e decide vê-lo novamente.


Confira a programação completa aqui

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Ciclo discute “Ser Negro no Brasil”

A Fundação Cultural Badesc apresenta uma programação de filmes que abordam a história, a cultura e os desafios que o povo de origem afro-brasileira encontra em nosso país. Um introdutório – mas representativo – recorte da produção documental brasileira, em filmes de diferentes estéticas, abordagens e vertentes de pensamento, mas cujo tema comum principal é a “questão racial” no Brasil.
Serão seis títulos exibidos durante os quatro dias de apresentação com debate entre os presentes logo após as sessões. O projeto faz parte do ciclo de cinema Doc Brasil, com curadoria do cineasta José Rafael Mamigoniam.
As exibições ocorrem nos dias 6, 7, 13 e 14 de maio, às 19h, no auditório da Fundação Cultural Badesc, no Centro de Florianópolis. Mais Informações pelo telefone (48) 3224-8846
Agradecimentos: Eduardo Coutinho, Arthur Autran, Júnia Torres, Carlos Nader e José Geraldo Couto.

Programação:

Dia 06/05

Minoria Absoluta
De Arthur Autran, 1995, 13min
Intelectuais negros discorrem sobre temas como a posição do negro na Universidade, a relação entre cultura negra e cultura acadêmica, as dificuldades na divulgação da produção intelectual do negro e outros. Depoimentos de Dulce Pereira, Clóvis Moura, Fernando Conceição, Emanoel Araújo e Milton Santos.


A Negação do Brasil
De Joel Zito Araújo, 2000, 91min
Tabus, preconceitos e estereótipos raciais são discutidos a partir da história das lutas dos atores negros pelo reconhecimento de sua importância na história da telenovela brasileira. Baseado em suas memórias e em pesquisas, o diretor analisa as influências das telenovelas nos processos de identidade étnica dos afro-brasileiros.



Dia 07/05

O Fio da Memória

De Eduardo Coutinho, 1991, 115min
O filme procura condensar, em personagens e situações do presente, a experiência negra no Brasil a partir de dois eixos: as criações do imaginário, sobretudo na religião e na música, e a realidade do racismo, responsável pela perda de identidade étnica e pela marginalização de boa parte dos brasileiros de origem africana.


Dia 13/05

Carolina

De Jeferson De, 2003, 15min
Final dos anos 50. Carolina de Jesus escreve seu diário. Dentro de seu barraco ela denuncia a fome, o preconceito e a miséria. Publicada, torna-se um sucesso editorial, sendo editada em 13 idiomas. Passadas algumas décadas, as palavras de Carolina continuam a ser uma denúncia contra a miséria em que se encontram milhões de pessoas.

Aqui Favela – O Rap Representa
De Júnia Torres e Rodrigo Siqueira, 2003, 82min
Uma viagem pelos caminhos por onde se constrói o movimento hip-hop em São Paulo e Belo Horizonte. O filme apresenta jovens desconhecidos que integram o movimento e algumas de suas principais expressões como Thaíde e Mano Brown, além de África Bannbaataa, Nelson Triunfo, Lady Rap, Shyrlane e outros.


Dia 14/05

Preto e Branco
De Carlos Nader, 2004, 73min
Documentário sobre relações raciais entre cidadãos comuns da cidade de São Paulo. Se, por um lado, o modelo racial brasileiro tem sido historicamente considerado uma solução original para eterna intolerância étnica no planeta, por outro, é também considerado uma farsa que visa esconder o abismo social entre brancos e não-brancos.

terça-feira, 4 de maio de 2010

Ciclo em homenagem a Godard


















Diretor Jean-Luc Godard


Em comemoração aos 80 anos de nascimento do cineasta Jean-Luc Godard, a Fundação Cultural Badesc irá exibir quatro títulos do diretor, todos da primeira fase de sua filmografia. A curadoria e a apresentação são de Fernanda do Canto, designer gráfico formada pela UFSC. Durante o ano de 2008, ela fez um intercâmbio para o curso de Diseño de Imagen y Sonido, na Universidad de Buenos Aires, onde estudou teoria e história do cinema. No ano seguinte, como Trabalho de Conclusão de Curso, realizou uma análise visual sobre a cinematografia de Godard entre 1959 e 1965
Os filmes exibidos estão inseridos no movimento nouvelle vague e trazem uma postura auto crítica sobre o cinema, desafiando as convenções cinematográficas da época.
Nesses filmes, podem se traçar semelhanças como a preferência pelas filmagens nas ruas, com ilumi­nação natural, locações públicas e tomadas feitas ao azar. Seus personagens têm um caráter psicológico e ambíguo, cujas histórias pessoais ou motivações muitas vezes não são compartilhadas com o espectador.
As exibições ocorrem a partir das 19h, no auditório da Fundação, no Centro de Florianópolis. A entrada é franca. Mais informações pelo telefone (48) 3224-8846


Programação:


05/05

Acossado - À bout de souffle
De Jean-Luc Godard, 1959, 90min
O filme retrata o amor fatal entre um criminoso fugitivo e uma jovem norte-americana aspirante a jornalista. Após um roubo de carro em Marselha, ele é perseguido por policiais a caminho de Paris. Na cidade se apaixona por Patrícia, que vende jornais. Michel divide seu tempo e suas angústias entre cobrar uma dívida e convencer Patrícia a fugir com ele.



Dia 12/05

Viver a Vida
- Vivre sa vie
Diretor: Jean-Luc Godard
Ano: 1962
Tempo: 80min
Em doze capítulos, o filme conta o drama de Nana, uma jovem que almeja iniciar a carreira de atriz, mas passa por dificuldades financeiras. Como não consegue pagar o aluguel, Nana é expulsa de casa, acusada de furto, e não encontrando outra solução, decide se prostituir.


Dia 19/05

Banda à Parte
- Bande à Part
Diretor: Jean-Luc Godard
Ano: 1964
Tempo: 92min
Frantz e Arthur, dois amigos habituados a dar golpes, conhecem a tí­mida Odile num curso de inglês. A moça, apaixonada por Arthur, conta aos dois sobre uma grande quantia de dinheiro que sua tia Victoria guarda em casa. Frantz e Arthur começam ime­diatamente a planejar o roubo e convencem Odile a ajudá-los


Dia 26/05

O demônio das onze horas
- Pierrot lê fou
Diretor: Jean-Luc Godard
Ano: 1965
Tempo: 115min
Ferdinand Griffon é um professor de língua espanhola casado com uma italiana. Em uma noite, o ca­sal vai a uma festa e deixa os filhos aos cuidados de Marianne, a quem Ferdinand parecia conhecer anteriormente. Na volta, Ferdinand e Marianne decidem fugir juntos e se envolvem com tráfico, conspirações políticas e muita literatura.

segunda-feira, 3 de maio de 2010

O drama no cinema italiano













Personagem Ângela de Um Coração Para Sonhar

O Gênero Literário Dramático teve suas origens na Grécia Antiga, possivelmente numa manifestação das festas em homenagem a Dionísio. O termo "dramático" quer dizer drama, ou seja Ação. Ele representa ações vividas pelos personagens num determinado espaço-tempo. E o drama será a base dos filmes apresentados no cineclube italiano da Fundação Cultural Badesc, em maio.
O filme desta terça-feira é Um Coração Para Sonhar com direção de Pupi Avati. O longa é o oitavo trabalho do diretor e concorreu ao prêmio Palma de Ouro em Cannes, em 2003. A história é de um tímido acadêmico do interior que vai estudar na cidade e irá se apaixonar por uma bela mulher que é cega.
O ciclo italiano de cinema é uma parceria com o Centro di Cultura Italiana. As exibições ocorrem às terças feiras, às 19h, no auditório da Fundação Cultural Badesc, no Centro de Florianópolis. Mais Informações pelo telefone (48) 3224-8846


Confira a programação:

04/05
Um Coração Para Sonhar (Il Cuore Altrove) De Pupi Avati, Itália, 103min.
Nello Balocchi, 35 anos, é um homem tímido e voltado para o mundo acadêmico. Seu pai quer que vá viver numa cidade grande para que encontre uma mulher com quem casar. Enquanto vai descobrindo que tem um talento nato para o magistério, conhece Angela Gardini, uma mulher exuberante e cega, por quem se apaixona.




11/05
Meu Irmão é Filho Único
(Mio Fratello È Figlio Único) De Daniele Luchetti, Italia, 2007, 108min.
Entre 1960 e 1970, numa cidadezinha italiana, dois irmãos tentam mudar o mundo. O mais velho, Manrico, é um rapaz bonito e carismático, incitador que se torna ativista no partido comunista. Accio, o caçula, é revoltoso e está no partido fascista. Os irmãos se tornam rivais, não apenas na política, mas também no amor quando Accio percebe estar apaixonado por Francesca, namorada do irmão

18/05
Concorrência Desleal
(Concorrenza Sleale) De Ettore Scola, Italia, 2001, 110min.
Na Itália de 1938, em meio à Segunda Guerra Mundial, dois comerciantes de
roupas - um católico e outro judeu - disputam pela melhor clientela. Em meio a trapaças e discussões sem fim, eles vão descobrir uma forte amizade, quando um deles sofre com a intolerância do regime fascista.

25/05
A Janela de Frente
(La Finestra di Fronte) Ferzan Ozpetek, Itália, 2003, 106min.
Giovanna está casada com um marido dedicado e responsável. Ela trabalha como contabilista e toma conta das crianças. O marido traz para casa um velho com amnésia e acaba evidenciando as frustrações da vida rotineira do casal. Giovanna se irrita com a apatia do marido e vai projetar suas fantasias no belo e misterioso vizinho.

domingo, 2 de maio de 2010

Cinema francófono continua em maio

Safi Faye diretora de Cartas Camponesas (Divulgação)

A parceria de sucesso entre a Fundação Cultural Badesc e a Aliança Francesa está mantida para o mês de maio. O projeto do cineclube com produções em línguas francófonas começa amanhã e vai até o fim do mês, sempre às segundas-feiras.
Serão cinco títulos que vão desde Meu Tio da América do diretor Alain Resnais até Khamsa de Karim Dridi. O primeiro título exibido será o clássico senegalês Cartas Camponesas de 1973. O filme da diretora Safi Faye é sobre a busca de um rico camponês mau caráter por uma noiva em sua aldeia.
As exibições ocorrem a partir das 19h, no auditório da Fundação, no Centro de Florianópolis. A entrada é franca. Mais informações pelo telefone (48) 3224-8846

Confira a programação abaixo:

Dia 03/05

Cartas Camponesas - Lettre Paysanne
De Safi Faye, 1973, 98min

Um camponês abastado e mau caráter decide se casar. Sua futura esposa deve possuir beleza perfeita, mas, segundo ele, as mulheres de sua aldeia não correspondem aos seus critérios de escolha. Um dia, uma jovem belíssima de passado misterioso aparece...

Dia 10/05

Tudo Perdoado - Tout est Pardonné
De Mia Hansen-love, 2007, 95min.

Victor vive em Viena com sua esposa e sua filha Pâmela. É primavera. Victor passa os dias fora, brinca com a filha e vadia no Parque. Mas acaba se apaixonando por outra mulher. Onze anos depois, Pamela descobre que o pai vive na mesma cidade e decide vê-lo novamente.

Dia 17/05

Meu Tio da América - Mon oncle d'amérique.

De Alain Resnais, 1980, 125min

O título do filme faz alusão a um personagem obscuro. Não se sabe se ele está morto, rico ou miserável, numa América que jamais aparece. Os labirintos aqui trilhados são os dos textos científicos de Henri Laborit, pesquisador do comportamento humano.

Dia 24/05

Khamsa - Khamsa.

De Karim Dridi, 2008, 95min

Depois de fugir de sua família adotiva, Khamsa volta para o acampamento cigano onde nasceu. Nada parece ter mudado desde que ele foi forçado a partir. Até que seu melhor amigo Coyote conhece um ladrãozinho com quem começa a realizar pequenos furtos.

Dia 31/05

Obras, a gente sabe quando começa... - Travaux, on sait quand ça commence…

De Brigitte Rouan, 2005, 95min

Chantal é uma advogada imbatível e implacável no tribunal. Na vida privada ela é condescendente com seus dois filhos adolescentes e o ex-marido. Ao fazer uma reforma no seu apartamento, ela contrata os serviços de um grupo de colombianos. A obra se transforma num pandemônio, e Chantal chega à beira de um ataque de nervos.

terça-feira, 27 de abril de 2010

Sessão Brasil exibe curta catarinense

O curtametragem de Diego Lara, Semivida, será lançado na noite desta quarta-feira, no auditório da Fundação Cultural Badesc. O filme gravado nas cidades de Itajaí e Navegantes tem duração de 15 minutos e foi selecionado para a Mostra de Cinema de Ipoema, em Minas Gerais. O diretor explica que o curta passeia entre o amor e a perda de forma suave, brilhante e simples. Com um roteiro contundente, utiliza os antigos modelos de amor e paixão. Os personagens são o reflexo de uma sociedade onde cada vez mais o isolamento e a solidão moldam as pessoas. O evento ocorre às 19h, com entrada franca. Mais informações pelo telefone: (48)3224-8846.

Confira o trailer.

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Aventura e tragédia fecham o ciclo italiano de abril

A Fundação Cultural Badesc e o Centro di Cultura Italiana apresentam nesta terça-feira (27/04) o último título do cineclube italiano de abril. Com direção de Gabrielle Salvatore, o filme Eu nâo Tenho Medo (2003) faz parte do ciclo deste mês que exibiu, também, filmes de Giuseppe Tornatore. Os dois diretores do Sul da Itália representam o "nuovo" cinema italiano. O filme da noite é baseado em fatos reais e é a mais extraordinária história sobre aventuras, descobertas, amizade e tragédia. Enquanto os adultos conversam a portas fechadas, seis crianças se aventuram pelos campos de trigo desertos com suas bicicletas. Escondido na plantação, Michele de nove anos encontra um segredo tão grave e tão terrível que ele decide não contar a ninguém. Para enfrentá-lo, ele vai precisar do poder de sua imaginação e da coragem que ele ainda não sabe que tem.
As sessões de cinema italiano são sempre às terças-feiras, às 19h, no auditório da Fundação Cultural Badesc, no Centro de Florianópolis. Entrada franca. Mais Informações pelo telefone (48) 3224-8846

Assista ao trailer

domingo, 25 de abril de 2010

Drama em família na tela do Cine Francês

O Último dos Loucos será o último título do ciclo de cinema francês do mês de abril da Fundação Cultural Badesc. Este mês foram escolhidos filmes que envolvem dramas familiares. O longa desta segunda-feira (26/04) conta a história de Martin, um menino de onze anos que vive na fazenda de seus pais e observa, desamparado, a desunião de sua família: sua mãe vive enfurnada em seu quarto, seu irmão mais velho, que ele adora, se afoga no álcool, e seu pai é dominado pela avó. O menino assiste a um desastre familiar. Mas Mistigri, seu gato, e Malika, uma amiga marroquina, procuram lhe reconfortar de alguma forma. O filme é de 2006 e a direção é de Laurent Achard.
O Cineclube Francês é uma parceria da Fundação Cultural Badesc com a Aliança Francesa. As exibições são sempre às segundas feiras, a partir das 19h, no auditório da Fundação, no Centro de Florianópolis. A entrada é franca. Mais informações pelo telefone (48) 3224-8846

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Construção da imagem feminina no Cinema de Gênero

A Jornada de Gênero, Teatro e Cinema está de volta à Fundação Cultural Badesc. Na noite desta sexta-feira, 23/04, será apresentado o filme francês A Fronteira do Amanhecer do diretor Phillipe Garrel. O longa de 2009 participou da competição oficial do Festival de Cannes de 2008 e traz como protagonista a atriz Laura Smet. Ela vive Carole, uma estrela de cinema amante do fotógrafo François, encarregado de fazer uma reportagem sobre ela. Após um período de separação, Carole procura François. Rejeitada, ela é internada em um manicômio e comete suicídio. A imagem da atriz, no entanto, persegue François, interferindo em seu relacionamento com Eve, com quem ele pretende se casar. A imagem das duas mulheres, construída pelo olhar do fotógrafo, se confunde e colapsa.
O universo da construção de imagens femininas é o tema que será debatido pela platéia e pela convidada, Marina Moros, fotógrafa, videomaker e Doutora em literatura pela UFSC (2009).
A Jornada de Gênero é uma realização do Grupo de Estudos do Projeto Poéticas do feminino e masculino, coordenado pela Profa. Dra. Maria Brígida de Miranda da Udesc, em parceria com a Fundação Cultural Badesc. O evento ocorre no auditório da Fundação, às 19h, no Centro de Florianópolis. Mais informações pelo telefone (48) 3224-8846.

Confira o trailer

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Em cartaz no cineclube italiano: A Desconhecida


O Cineclube Italiano, apresentado pela Fundação Cultural Badesc em parceria com o Centro di Cultura Italiana, exibe nesta terça-feira (20/04) o último filme de Giuseppe Tornatore do ciclo de abril. Depois de Cinema Paradiso(1988) e Malena(2000), o longa da noite será A Desconhecida(2006), em que o diretor do Sul da Itália conta a vida de Irena, que vive entre seus fantasmas do passado e a busca pelo presente. Por trás de seu trabalho limpando e polindo as escadas de um prédio, seu verdadeiro objetivo é aproximar-se de uma família que mora ali. Nada vai impedir Irena de conseguir um trabalho naquela casa. Nem mesmo um assassinato. Seu plano parece estar indo bem, até que surge uma figura de seu passado.
Durante o mês de abril, estão sendo exibidos longa-metragens de Giuseppe Tornatore e Gabriele Salvatore, diretores premiadíssimos da região da Sicília e representates do cinema “nuovo” italiano. As sessões são sempre às terças-feiras, às 19h, no auditório da Fundação Cultural Badesc, no Centro de Florianópolis. Mais Informações pelo telefone (48) 3224-8846

Trailer de A Desconhecida

domingo, 18 de abril de 2010

Drama no cinema francófono

Durante o mês de abril a Fundação Cultural Badesc exibe filmes que envolvem dramas familiares. O terceiro título deste mês é Identidade, do diretor Mwenze Ngangura. O longa conta a história de Mani Kongo, um velho rei de uma província congolesa, que decide ir em busca de sua filha, mandada à Bélgica aos oito anos para estudar. O rei, que não quer abrir mão de suas tradições, vai cruzar com personagens como um jovem mestiço belgo-congolês e falso motorista de táxi, uma jovem elegante que se apossa de seu dinheiro e uma cantora iluminada e solitária. Será que o regresso à África permitirá se reconciliarem com eles próprios?
O Cineclube Francês é uma parceria da Fundação Cultural Badesc com a Aliança Francesa. As exibições são sempre às segundas feiras, a partir das 19h, no auditório da Fundação, no Centro de Florianópolis. A entrada é franca. Mais informações pelo telefone (48) 3224-8846

Trailer de Identidade.

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Terence Rattigan no Cinema, Chá & Cultura

O segundo encontro de 2010 do projeto Cinema, Chá & Cultura ocorre hoje, dia 16 de abril (sexta-feira), às 19h, com a exibição de Nunca te amei (Mike Figgis, 1994, 97 min.). Este não é um título apropriado para traduzir o original, The Browning Version, segunda versão para o cinema da peça homônima de Terence Rattigan, que já foi levada ao cinema em 1951 (versão que foi exibida no Cinema, Chá e Cultura em 2008). Trata-se, aparentemente, de uma história cotidiana, na qual o protagonista Crocker-Harris (Albert Finney) é um rígido professor de grego e latim, que está se afastando da escola onde leciona. No entanto, peça e filme são também uma sofisticada releitura da mais famosa obra de Ésquilo, Agamêmnon, aqui transposta para o século XX e lidando com a interface entre o dramático e o trágico.
O comentário à peça de Rattigan e ao filme será feito por Maria Cecília de Miranda N. Coelho, graduada em Matemática e em Filosofia pela UnB,, mestre em Filosofia pela USP e doutora em Letras Clássicas pela USP, com estágio de doutoramento na Brown University. Ela foi Professora de Filosofia na UDESC, onde criou o Projeto Filocinema, e na PUCSP-COGEAE, no Curso Grego Antigo on-line. Atualmente faz pós-doutorado no Núcleo de Estudos Antigos e Medievais da FALE-FAFICH/UFMG, com a pesquisa A produção de emoções e os esquemas retóricos no teatro grego antigo e no cinema.
Promovido pela Fundação Cultural BADESC e pela Cultura Inglesa de Florianópolis, Cinema, Chá & Cultura é um projeto dedicado à exibição de filmes relativos a obras literárias da tradição anglófona. Para os idealizadores, Professores Dra Anelise R. Corseuil (UFSC), Dra Brígida de Miranda (UDESC), Ms. Leon de Paula (UDESC) e Dra. Maria Cecília de M. N. Coelho (UFMG), os encontros são uma oportunidade de exibir filmes variados e promover a discussão sobre literatura (principalmente a dramática) e cinema. A atividade, gratuita, começa com uma apresentação, durante a qual os participantes poderão se servir de chá, feito ao modo inglês, e oferecido pela Cultura Inglesa de Florianópolis. Em seguida será exibido o filme, legendado, em formato DVD.

terça-feira, 13 de abril de 2010

Sessão Brasil apresenta curtas de Florianópolis

A noite desta quarta-feira será especialmente dedicada à produção de cinema local. A Fundação Cultural Badesc exibirá três curta-metragens produzidos na Capital. Os filmes dos diretores locais dialogam com os enigmas da alma. Logo após a sessão ocorrerá um debate entre a platéia e produtores sobre "Como fazer o seu filme chegar ao público". A iniciativa é do produtor Chico Faganello, que através da sua distribuidora www.faganello.com passa a comercializar os três títulos. veja a lista a baixo:
Ângelo o Coveiro (trailer). De Renato Turnes, Florianópolis, 2009, 20min.
Se eu Morresse Amanhã(foto). De Ricardo Weschenfelder, Florianópolis, 2009, 22min.
A Mão do Macaco(trailer). De Jefferson Bittencourt, Florianópolis, 2008, 25min.

Trailer de Ângelo o Coveiro


Trailer de A Mão do Macaco

Cineclube italiano com Tornatore e Salvatore

O Ciclo de Cinema Italiano, apresentado pela Fundação Cultural Badesc em parceria com o Centro di Cultura Italiana, exibe no mês de abril longa-metragens de dois diretores premiadíssimos do Sul da Itália. Serão três filmes de Giuseppe Tornatore e um de Gabriele Salvatore. Ambos já ganharam o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. Tornatore em 1989 com Cinema Paradiso e Salvatores no ano de 1991 com Mediterraneo.
Os filmes destes dois representates do cinema “nuovo” italiano são exibidos todas as terças-feiras, às 19h, no auditório da Fundação Cultural Badesc, no Centro de Florianópolis. Mais Informações pelo telefone (48) 3224-8846

O Filme de hoje é Malèna, de Giuseppe Tornatore, de 2000. Em 1941, em plena II Guerra Mundial, nada acontece em um vilarejo da costa siciliana. Ali vive Renato, um garoto de 13 anos que está apaixonado pela recém chegada Malèna. Com sua beleza avassaladora, desperta olhares de cobiça dos homens e a inveja das esposas. Totalmente enfeitiçado, Renato vai aprender lições de vida e irá a lugares que nunca imaginou. Confira o trailer a baixo.

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Cine Francês apresenta "7 anos"

A Fundação Cultural Badesc exibe no mês de abril filmes que envolvem dramas familiares. Os filmes retratam histórias como a de Maïté (foto), que é casada com Vincent, condenado a 7 anos de prisão. Um dia, um desconhecido a encontra ao voltar de uma visita na prisão. Ele se chama Jean, e a seduz tornando-se seu amante. Ao descobrir que Jean é guarda na prisão e que Vincent é seu protegido, Maïté percebe estar em um jogo a três do qual ninguém conhece as regras. O longa, chamado 7 Anos, será apresentado na noite de hoje. O Cineclube Francês é uma parceria da Fundação Cultural Badesc com a Aliança Francesa. As exibições são sempre às segundas feiras, a partir das 19h, no auditório da Fundação, no Centro de Florianópolis. A entrada é franca. Mais informações pelo telefone (48) 3224-8846

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Guido Heuer expõe suas obras na Fundação

Até 14 de maio, a Fundação Cultural Badesc abriga quadros, esculturas e vídeo-instalação do artista catarinense Guido Heuer. A abertura da exposição ocorreu no dia 1 deste mês e contou com a presença de Guido que pôde conversar com o público que veio à Fundação para conhecer a fundo seu trabalho. Confira alguns trechos desta conversa no vídeo abaixo.



Mais informações sobre a exposição Tensões de Guido Heuer clique aqui.

Noite de literatura e cinema

A Fundação Cultural Badesc estará de portas abertas para o lançamento do novo livro da Editora UFSC e para mais uma edição do Doc Brasil.
O livro Cinema: laterna mágica da história e da mitologia (foto) apresenta artigos sobre teoria de cinema, análise de filmes e estudos comparativos escritos por especialistas em diferentes áreas como história, filosofia e literatura. Apublicação pode ser adquirida na livraria virtual da editora, clicando aqui. O lançamento será hoje às 19h.
Já no auditório da Fundação Cultural Badesc serão exibidos alguns documentários em referência ao aniversário do golpe de estado de 1964, no Brasil. O Doc Brasil de abril ocorre de quarta a sexta-feira desta semana e trará filmes que tratam da ditadura brasileira. Confira abaixo trecho de um dos documentários de hoje a noite. Outras informações sobre o Doc Brasil de abril clique aqui.
Ambos os eventos são gratuitos. Mais informações pelo telefone (48) 3224-8846.



Trecho de Brazil: A Report on Torture.

terça-feira, 6 de abril de 2010

DocBrasil aborda a Ditadura Militar

O projeto DocBrasil exibe este mês, que marca o aniversário do golpe militar de 1964, três sessões de documentários que fazem uma reflexão sobre os efeitos que o regime ditatorial e sua práticas provocaram no país.
As marcas do “período de exceção” e suas conseqüências – com mortes, torturas e “desaparecimentos” – assim como a luta pela redemocratização e pelos direitos humanos, têm provocado sucessivos debates nas universidades, nos meios de comunicação, nos tribunais e em outras instituições brasileiras.
Com curadoria do cineasta José Rafael Mamigonian, esta seleção de documentários aborda frontalmente o impacto dos anos de chumbo sobre a realidade nacional e visa ampliar a compreensão dos temas abordados. O projeto DocBrasil é realizado mensalmente e após a sessão o curador conduz um debate com o público.

PROGRAMA

Dia 7 de abril
quarta-feira às 19h

Vala Comum, de João Godoy (São Paulo, 1994, 32min)
A história da repressão vivida no país após o golpe militar de 1964, tendo como ponto de partida a localização de uma vala clandestina com mais de mil ossadas em Perus (SP). Um passado mantido oculto emerge para exumar uma parte da história recente do país.

Brazil: A Report on Torture, de Saul Landau e Haskell Wexler (Estados Unidos, 1971, 60min)
Documentário rodado no Chile, traz depoimentos de exilados brasileiros sobreviventes de práticas de tortura cometidas durante a ditadura militar no Brasil. Tratam-se de alguns dos prisioneiros libertados em troca do embaixador suíço Giovanni Enrico Bucher, sequestrado em 1970 por revolucionários brasileiros. A ação sanguinária dos agentes do Estado é narrada e exemplificada de maneira direta e contundente pelos próprios torturados.

Dia 8 de abril
quinta-feira às 19h

15 filhos, de Marta Nehring e Maria Oliveira (São Paulo, 1996, 20min)
Os horrores cometidos durante a ditadura militar narrados por filhos dos presos políticos, que contam traumas nunca superados. Entre os relatos, alguns fatos são comuns: a incerteza quanto ao nome verdadeiro dos pais, o mundo dividido entre o bem e o mal, o período em que passaram presos e a impossibilidade de compartilhar os acontecimentos com os demais membros da família.

Memória para uso diário, de Beth Formaggini (Rio de Janeiro, 2007, 80min)
Ivanilda busca evidências que provem que seu marido, desaparecido desde 1975, foi preso pelo governo brasileiro. Romildo procura pelo corpo de seu irmão num cemitério do subúrbio carioca. Mães choram por seus filhos, assassinados pela polícia nas favelas. Elas pertencem ao grupo "Tortura Nunca Mais" que, interagindo entre a lembrança traumática e o esquecimento, trazem à tona a memória de fatos recentes. Pensam o passado para que possam libertar o futuro dos fantasmas que ainda os perseguem no presente.

Dia 9 de abril
sexta-feira às 19h

Hércules 56, de Silvio Da-Rin (Rio de Janeiro, 2006, 94min)
Em setembro de 1969, quando o Brasil era governado por uma Junta Militar, duas organizações revolucionárias aliaram-se para raptar o embaixador dos EUA, Charles Burke Elbrick, e exigiram a libertação de quinze presos políticos, que foram levados ao México pelo avião Hércules 56 da FAB. Para rememorar o episódio e discutir as causas e conseqüências da luta armada naquela época, o filme traz à cena os nove remanescentes do grupo de presos e promove o reencontro de cinco membros das organizações responsáveis pelo seqüestro.

Na imagem do post, foto do filme Brazil: A Report on Torture.